Resinas compostas

Na era das lentes de contato dental devemos lembrar que a resina composta é um material extremante seguro e eficaz para muitos casos. Apesar de existirem alguns casos que apenas o tratamento restaurador indireto pode ser aplicado, com vimos em “Soluções estéticas: cerâmicas”, ainda existem muitos casos que estão sendo sobre tratados por esses materiais.

Fechamento de diastema com resina composta

Mitos da resina composta

Infelizmente, a performance clinica inicial das resinas compostas em dentes posteriores foi frustrante. As qualidades apresentadas por estes materiais quando usadas em dentes anteriores foi prematuramente transferidas para a dentição posterior.

O material aplicado aos dentes posteriores apresentava inadequada resistência ao desgaste, infiltração marginal, cárie secundária e falta de contato proximal. Este fato fez com que alguns dentistas, ainda hoje, considerem a resina composta um material de propriedades ruins.

Porém, estes materiais e os procedimentos envolvidos para o seu manuseio passaram por grandes mudanças o que contribuiu para tornar o seu uso em dentes posteriores cada vez mais freqüente e indicado.

Com o aprimoramento das técnicas e as melhoras nas propriedades físico-mecânicas, principalmente em relação ao desgaste sofrido por estes materiais e o desenvolvimento de sistemas adesivos efetivos terminaram por reduzir a microinfiltração marginal e a sensibilidade pós-operatória.

Atualmente, as resinas compostas são a primeira escolha devido à sua técnica relativamente simples, ao seu baixo custo, ao seu índice de sucesso clinico satisfatório quando uma técnica apropriada é utilizada e devido a sua técnica minimamente invasiva.

Porque escolher a resina composta?

Os procedimentos restauradores diretos apresentam a vantagem de não necessitar de etapas laboratoriais para a conclusão do trabalho.

Esse material pode ser empregado tanto em dentes posteriores como em dentes anteriores. Visam reestabelecer a forma, a função e a estética dos elementos dentários.

Devido as novas técnicas adesivas e ao conceito de preservação dental em muitos casos conseguimos realizar o procedimento sem desgaste da estrutura dental. O que não é possível quando realizamos tratamentos em cerâmica.

Outra vantagem é que a vasta gama de cores da resina composta possibilita que possua características semelhantes a estrutura dental. Tais como textura, cor e brilho.

Porém, o sucesso clínico depende da técnica restauradora empregada, das habilidades técnicas do dentista e do material empregado.

Você possui uma restauração que ainda é de metal e gostaria de trocar? Gostaria de melhorar a estética dos seus dentes?  Agende sua consulta conosco, tire suas dúvidas e iremos juntos propor o melhor tratamento para a sua necessidade.

O nosso cartão de visita é o seu sorriso!
“Brilhe como um diamante”
Drª. Isabel F. Barbosa