Porque trocar as restaurações prateadas?

Algumas pessoas ainda possuem restauração prateada em seus dentes, como a da imagem a seguir. A maioria delas tem medo de trocar essas restaurações por acharem que as resinas compostas não são tão boas, ou causam sensibilidade. Vamos antes entender as vantagens e desvantagens desse tipo de restauração.

Restauração em amálgama

Vantagens das restaurações prateadas (Amálgama)

Apesar da evolução significativa das técnicas e dos materiais restauradores estéticos, não se pode desconsiderar a grande experiencia clínica que se tem sobre o amálgama. Trata-se de um material empregado há mais de cem anos.

Além disso ele apresenta grande resistência ao desgaste, possuem facilidade de manipulação e baixo custo.

Devido a essas caraterísticas, o amálgama continuará a ser um material de escolha para restaurações de dentes posteriores em muitos países.

Desvantagens do Amálgama

Com certeza a maior desvantagem do amálgama é a estética. Mas será?

A estética é um fator cada vez mais exigido pelos pacientes e com certeza a causa de maior recusa pela utilização do amálgama. Porém essa não é sua pior característica. O amálgama não tem união a estrutura dental e isso gera alguns prejuízos:

  • Necessidade de preparos mais extensos e retentivos, muitas vezes as custas do desgaste de estrutura dental sadia.
  • Devido a sua alta rigidez e falta de adesão a estrutura dentaria a restauração funciona como uma cunha. Dessa forma as forças mastigatórias são direcionadas ao dente podendo levar a sua fratura

Outra desvantagem é a presença de mercúrio. O que ocasionou a sua proibição em alguns países como Japão e Alemanha. Apesar de não haver nenhuma comprovação científica que a presença de mercúrio nas restaurações de amálgama possam causar problemas sistêmicos.

Então porque trocar as restaurações prateadas?

Sem dúvidas quando um paciente deseja trocar a restauração é por fatores estéticos. Mas analisando de forma clinica, o motivo para realização da troca dessas restaurações é a falta de adesão a estrutura dental.

A pergunta que eu faço a vocês é a seguinte: Temos a opção de ter uma restauração estética, que sofre mais desgaste que o amálgama, mas que tem propriedades físicas e mecânicas satisfatórias (como pode ser visto em: “soluções estéticas:resinas compostas” e em “resinas compostas“) ou você prefere um material que não é estético, que pode durar 30 anos, porém que expõe seu dente a cargas que podem levar a fratura?

Para mim, prefiro fazer revisões periódicas nas restaurações de resina composta para que elas tenham longa durabilidade ao invés de esperar pela fratura do dente e precisar de restaurações mais complexas como as cerâmicas (“soluções restauradoras estéticas: cerâmicas“).

Pensou melhor e quer trocar sua restauração prateada?  Agende sua consulta conosco, tire suas dúvidas e iremos juntos propor o melhor tratamento para a sua necessidade.

O nosso cartão de visita é o seu sorriso!
“Brilhe como um diamante”
Drª. Isabel F. Barbosa