Erosão dentária: você pode está destruindo seu dente sem saber!

Essa semana nosso convidado é meu amigo, Veber Bomfim. Mestre e Doutor em prótese pela Unicamp. Além de ser professor universitário e palestrante em congressos.

PhD Veber Bomfim

Você já deve ter ouvido os ditados populares: “Você é o que você come” “A digestão começa pela boca” “Se você não mastigar direito vai prejudicar a digestão”

Como todo ditado popular e conhecimento dos nossos mais experientes, todos esses ditos populares são verdades.

Permita-me a liberdade de acrescentar mais um: O que você come, ditará o quanto de tempo seus dentes permanecerão na sua boca.

Mas como assim?! Você está dizendo que posso perder meus dentes?! Isso mesmo! A depender da forma que você vive ou come, o “prazo validade” (manter saudável, sem dor ou intercorrência) dos seus dentes pode estar contado.

Mas não precisa se assustar. Pequenas mudanças de hábito podem aumentar a longevidade dos nossos dentes e melhorar nossa saúde bucal.

Quantas vezes você deixou de se alimentar corretamente ou fez apenas um “lanchinho” por ter algum compromisso e está com o horário apertado?

Vivemos no mundo tão corrido, tão acelerado, cheios de compromissos que nossos dias deveriam ter 32 horas. Já se deparou pensando nisso?! Saiba que não se alimentar ou esse lanchinho pode estar prejudicando a longevidade da sua dentição.

Nem tudo está perdido, tenho uma boa notícia!

A cárie é a culpada?

Com o aumento da acessibilidade à informação, campanhas governamentais e reconhecimento da importância em manter uma saúde bucal, as taxas de cárie caíram no Brasil.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 44% dos indivíduos com 12 anos estão livres desse problema bucal. Uma melhoria de 13 pontos percentuais em menos de uma década!

Entretanto com o declínio da incidência de cárie, como acontece em alguns países, no Brasil a erosão dental está se tornando o foco de muitos estudos. Isso devido ao aumento da incidência na população atual e será o tema abordado hoje. 

Como acontece a erosão dental?

A ingestão de comida e bebida certa, assim como a forma de comer ou beber, são importantes para sua saúde e dos seus dentes.

O consumo de alimentos demasiadamente ácidos pode levar ao desgaste do esmalte (a camada externa que recobre os dentes). Expondo a dentina, que está logo abaixo do esmalte.

Ou seja, se você tem o hábito de tomar sucos de frutas ácidas naturais (limão, laranja, tangerina, abacaxi, acerola, etc.) e outros tipos de bebidas carbonatadas (incluindo refrigerantes diet, Coca-Cola, café, chá, Gatorade). Ou comer comidas com bastante vinagres, ketchup, hamburguer, etc., que são altamente ácidos. Você pode estar sofrendo de um processo chamado de erosão dentária. 

Quem nunca se alimentou assim?

Você já passou ou conhece alguém que passa por alguma situação dessas?

  • Certo dia estava tomando sorvete e sem querer, o sorvete tocou em um dente e senti uma “dor fina” que me deu até um calafrio;
  • Toda vez que tomo um suco de limão, laranja ou abacaxi e depois vou escovar os meus dentes, eles doem;
  • Teve um dia que eu tomei bastante drink (Ice, vodka, whisky, espumante) e depois fui escovar os meus dentes e eles doeram;
  • Ontem comi uma pizza, hamburguer com ketchup e depois fui escovar os meus dentes e eles doeram;

Se sua resposta foi “sim” para algumas dessas situações, você pode estar sofrendo de erosão dentária.

A erosão ocorre quando o excesso de ácido desgasta a camada externa (dura) do dente. E conjunto com esses desgastes poderemos ter algumas situações incômodas. 

A erosão dental pode causar:

  • Dor de dente:  Se o esmalte do dente se desgasta, seus dentes se tornam mais sensíveis aos alimentos quentes ou frios;
  • Descoloração: seus dentes podem ter aparência amarelada devido a exposição da dentina (camada embaixo do esmalte);
  • Transparência: os dentes frontais podem ter aparência transparente nas pontas onde você morde;
  • Fissuras e rachaduras: se o esmalte do dente começa a se desgastar, seus dentes podem desenvolver rachaduras e pequenas fissuras ao longo da superfície onde mastiga;
  • Sensibilidade dentinária, porque o esmalte desgastado expõe a dentina. Que é mais porosa do que o esmalte, sendo mais sensível ao toque, ao ar, à força da mordida e à exposição ao ácido.

O que mais pode causar?

Além de alimentos ácidos ou distúrbios gastrintestinais (gastrites e/ou refluxos), a escovação incorreta também poderá causar erosão dentária.

Se você é do tipo que coloca uma força exagerada na hora de escovar os dentes, deve repensar essa atitude. Além de não limpar melhor os dentes, a pressão excessiva causa o desgaste dental. Que começa justamente pela camada mais externa do esmalte.

Como diagnosticar a erosão dental?

O diagnóstico depende de um exame clínico bem realizado e de uma anamnese criteriosa. Uma vez que o estágio da lesão é de extrema importância para o sucesso do tratamento a ser empregado.

Durante a anamnese, o cirurgião-dentista irá considerar os hábitos alimentares, distúrbios gastrintestinais, uso de medicamentos, disfunção de glândulas salivares, exposição a meios ácidos durante o trabalho e hábitos durante a higiene bucal. A partir do diagnóstico podem-se instituir métodos preventivos. Atuando sobre os fatores causais da lesão no sentido de impedir sua formação ou progressão. E/ou terapêuticos, buscando a restituição da forma, função e estética. 

Como tratar a erosão dental?

Caso você sofra de erosão dentária, a primeira medida a ser tomada é a mudança de hábito. Você pode adotar algumas medidas como:

  • Utilizar bochechos com flúor e dentifrícios, uma vez que o flúor aumenta a resistência do esmalte à dissolução provocada pelos ácidos;
  • Diminuir a frequência de consumo de comidas ácidas e restringir seu consumo juntamente com as refeições;

Após o contato dos dentes com alimentos ácidos, pode-se realizar bochechos com bicarbonato de sódio, consumo de produtos como leite e queijo e mastigação de goma de mascar contendo sorbitol ou bicarbonato, com o objetivo de neutralizar os ácidos;

Caso você sofra de erosão dentária, a primeira medida a ser tomada é a mudança de hábito. Você pode adotar algumas medidas como:

  • Utilizar bochechos com flúor e dentifrícios, uma vez que o flúor aumenta a resistência do esmalte à dissolução provocada pelos ácidos;
  • Diminuir a frequência de consumo de comidas ácidas e restringir seu consumo juntamente com as refeições;

Após o contato dos dentes com alimentos ácidos, pode-se realizar bochechos com bicarbonato de sódio, consumo de produtos como leite e queijo e mastigação de goma de mascar contendo sorbitol ou bicarbonato, com o objetivo de neutralizar os ácidos;

Caso você sofra de erosão dentária, a primeira medida a ser tomada é a mudança de hábito. Você pode adotar algumas medidas como:

  • Utilizar bochechos com flúor e dentifrícios, uma vez que o flúor aumenta a resistência do esmalte à dissolução provocada pelos ácidos;
  • Diminuir a frequência de consumo de comidas ácidas e restringir seu consumo juntamente com as refeições;

Após o contato dos dentes com alimentos ácidos, pode-se realizar bochechos com bicarbonato de sódio, consumo de produtos como leite e queijo e mastigação de goma de mascar contendo sorbitol ou bicarbonato, com o objetivo de neutralizar os ácidos;

Quebrando mitos

Embora você já deva ter ouvido desde pequeno, “escove os dentes após as refeições.” Escovar os dentes logo após a refeição pode aumentar o desgaste dentário.

Isso acontece porque logo após o dente ser exposto a um ambiente ácido, ele sofre um processo chamado de desmineralização. De forma simples o esmalte dentário fica “mole”. Dessa forma, ao utilizar uma escova, conjunto com um creme dental abrasivo, você poderá aumentar o desgaste dentário.

Portanto, a escovação dental logo após o contato dos dentes com ácidos deve ser evitada. A fim de possibilitar o contato da saliva para a neutralização do pH do ambiente bucal.

Passos práticos

Desse modo, o ideal é que você, sempre após a refeição, faça a higiene preliminar com fio dental. Seguido da utilização de um bochecho sem álcool e aguarde cerca de meia hora após o consumo para iniciar a escovação.

Além disso, devemos utilizar escova com cerdas ultramacias e dentifrício fluoretado (creme dental) não abrasivo (dê preferência a gel dental) (quer saber mais sobre as escovas dentais, veja o post “Qual a melhor escova dental”. Para pacientes com baixo fluxo salivar, e consequente diminuição da efetividade da lubrificação e capacidade tampão, o dentista poderá indicar o uso de saliva artificial.

Em algumas situações (muito comum atualmente), devido à grande destruição, o dentista precisará repor a estrutura dental perdida. Entretanto, é importante ressaltar que a reabilitação e tratamento tem como função restabelecer a forma, função e estética, promovendo conforto ao paciente e facilitando a higienização bucal, não levando ao desaparecimento de novas lesões.

Assim, é de extrema importância o tratamento da causa da erosão dental, muitas vezes com acompanhamento multiprofissional do caso, envolvendo cirurgiões-dentistas, médicos, nutricionistas e psicólogos. Dessa forma, não deixe de visitar o dentista regularmente. 

Grande abraço,
Dr. Veber Bomfim 

Você esta sentindo dor nos dentes? Bebe muita bebida ácida? Esta tendo desgastes nos seus dentes sem saber o motivo?  Agende sua consulta conosco, tire suas dúvidas e iremos juntos propor o melhor tratamento para a sua necessidade.

O nosso cartão de visita é o seu sorriso!
“Brilhe como um diamante”
Drª. Isabel F. Barbosa